A problemática das cadeias do Curimataú paraibano



 *As fotos em preto e branco são os apenados que tentaram ou conseguiram fugir e foram recapturados, as coloridas são os homicidas José Denilson- Cabeção de Serra dos Brandões que aguarda julgamento para o dia 14 de março de 2012 e Jean de Cancão, que participou do homicídio de Gimaildo no Limeira juntamente com Manoel de Zefa que se encontra no Serrotão.
Enquanto a cidade de Picuí possui um alto número de apenados a espera de julgamento ou com pena a ser cumprida, dentre eles homicidas, latrocidas, bandidos comuns em celas num prédio antigo feito de tijolo manual em que os presos querendo fugir basta um pedaço de pau e um pouco de água. Tudo bem que durante o dia o policiamento fica por perto fazendo ponto base, mas a noite é apenas o Agente Penitenciário sozinho que tem prestar atenção a todo barulho proveniente das celas, averiguar todos os arredores para saber se não foi feito algum buraco para fugirem, sem contar que a noite possui os apenados do regime semi-aberto que são recolhidos a noite e liberados pela manhã.
Temos um Juiz, um Promotor, Delegado de Polícia Civil, Destacamento da Polícia Militar, Diretor de Cadeia Pública.
Resultado: Presos DENTRO de uma CADEIA PRECÁRIA.

Enquanto  que na cidade de Barra de Santa Rosa, temos a mesma estrutura de pessoal, só que com um detalhe são 04 Agentes Penitenciários e uma cadeia pública bem estruturada com muros altos e arames farpados no alto, além do destacamento da Polícia Militar ser interligado ao prédio.
Resultado: NENHUM preso a espera de julgamento ou cumprindo pena no regime FECHADO. Só existe dois a três  apenados cumprindo pena no semi aberto, ou seja, só vão até a cadeia para dormir.

Os indivíduos presos em flagrante delito em Barra de Santa Rosa são recolhidos na Cadeia Pública de Cuité.
Tudo bem que antigamente o contingente de policiais era ineficiente, talvez nem existia pessoal para trabalhar na cadeia, mas o panorama atual é diferente.

Já que a cadeia de Barra de Santa Rosa não é utilizada devidamente, não seria o caso de transferir alguns dos nossos presos para lá? A exemplo de nossos homicidas e latrocidas já que estes podem tentar uma fuga? Ou então trazer os Agentes Penitenciários de lá para reforçar a segurança.

Outro fator que contribui para a insegurança dentro das cadeia é a falta de atenção na hora de revistar as bolsas da crianças de colo e até as fraudas das crianças, que já é comum denuncias de que está entrando nas cadeias celulares e drogas dentro das fraldas das crianças, isto se for pego a mãe pode ser processada, além de perder a guarda da criança se cumprirem a lei.

Matéria publicada com relatos de funcionários e comentários do Blog setimaregional.blogspot.com