Policia Pernambucana apresenta o quarteto que estuprou e arrancou a cabeça de criança em magia negra.

A polícia apresentou na manhã desta sexta feira (13), na Delegacia Regional em Caruaru, os quatro acusados de estuprar, matar e arrancar a cabeça do garoto Flávio da Silva Macedo, de 9 anos, no distrito de São Domingos em Brejo da Madre de Deus.
 Os acusados são: Genival Rafael da Costa, o “Pai Véi”, de 63 anos, a esposa Maria Edileusa Silva, “Filó”, de 51 anos, Ednaldo Justo dos Santos, “Pai Nau”, de 33 anos e Edilson da Costa Silva, “Pai Val”, de 31 anos.

  
A “Filó” contou detalhes do crime. Segundo ela, o garoto que saiu de casa para pegar frete no domingo, 1º de julho, voltava pra casa empurrando um carrinho de mão e foi abordado pelo seu esposo “Pai Véi”, que atraiu a criança para o matagal prometendo pipoca e doces, lá esperou a chegada dos outros envolvidos que amarraram os pés e as mãos do menino pelas as costas. A acusada lembra que a criança muito assustada gritava e chorava muito pedindo o tempo todo para lhe soltarem, naquele momento dois dos acusados tiraram a roupa do menino e o estupraram, em seguida deram início ao ritual satânico conhecido por “Ritual de Retorno” e fizeram um torniquete e o colocaram no pescoço do menor apertando-o até decepar a cabeça do menino que estava consciente até ser morto.
 No local foram encontrados restos de outros despachos como galinha preta, velas e até um boneco de vudu.
 “Filó” disse que apenas assistiu ao ritual. Ela também relatou que o garoto foi escolhido por constantemente andar sozinho e que por isso ficou fácil atraí-lo para e ritual macabro.
 Segundo ela o “Capeta” esteve pessoalmente no local assistindo tudo e que existe um quinto elemento envolvido que prometeu pagar 1.500 reais ao grupo e que os cinco participaram da feitiçaria que não teve o nome revelado e está foragido. Os demais envolvidos negaram o crime.
 

O Delegado que investiga o caso Dr. Antonio Dutra, informou que os acusados foram presos por força de mandados de prisão preventiva e foram encaminhados os homens ao Presídio Desembargador Augusto Duque em Pesqueira e a mulher para a Colônia Penal Feminina de Buíque, onde responderam por estupro de vulnerável e homicídio triplamente qualificado.
 O Delegado ainda lembrou que o crime nada tem a ver com Umbanda, Candomblé ou qualquer outra cultura religiosa e que todas as religiões tem que ser respeitadas, dessa forma tem que haver uma desmistificação do caso para não envolver nenhuma religião qualquer que seja.
 


Fonte: Jornal do Agreste
Blog Combate Policial