Ministério Público denuncia policiais civis por corrupção na Paraíba


Três policiais civis foram denunciados pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) à 7ª Vara Criminal de João Pessoa acusados de corrupção passiva, por terem recebido dinheiro para liberar uma quadrilha de São Paulo especializada em notas falsas. Foram denunciados os policias José Rodrigues da Silva Júnior, Josenildo Justino da Costa e Gildo Ferreira de Lima e o técnico em perícia Adalberto Mendonça da Silveira. O MP também denunciou David Morais Cardoso, integrante da quadrilha, por corrupção ativa. Segundo a denúncia, a Polícia Federal de São Paulo estava monitorando, com autorização da Justiça, a quadrilha formada por setes pessoas. No dia 7 de maio de 2010, uma interceptação telefônica flagrou uma conversa entre David Cardoso e Suely Alves, outra integrante da quadrilha que estava em São Paulo, na qual David informava que ele e quatro outros integrantes da quadrilha (dois homens e duas mulheres) estavam presos na Polícia Civil da Paraíba e que os policiais teriam solicitado R$ 5 mil reais pela liberdade. De acordo com a denúncia, policiais militares do Posto 10 da Operação Manzuá, após terem recebido comunicado da Polícia Rodoviária Federal, prenderam as cinco pessoas. Os PMs informaram que dentro do veículo foram encontrados uma cápsula deflagrada de munição de fuzil, 10 cartelas de Diazepan (utilizado no “boa noite cinderela”), três cartões de crédito, peças de aparelho para clonar cartões, entre outros objetos. Antes que a PM concluísse a abordagem, duas viaturas da Polícia Civil apareceram no posto da Manzuá com os cinco policiais denunciados, que levaram, por volta das 12h, a quadrilha para a carceragem da Central de Polícia, na Capital. O agente Josenildo Justino informou ao policial do setor de custódia que as pessoas estavam presas para averiguação. Às 19h, os presos foram liberados pelo agente Gilmar das Neves. “O interessante é que Gilmar liberou a quadrilha e pediu para o agente de plantão abrisse o portão de trás do prédio da Central de Polícia. A quadrilha saiu da Central às escondidas acompanhada dos acusados”, diz na denúncia o promotor de Justiça Arlan Costa Barbosa. Conforme a denúncia do MP, os policiais, após terem recebido o dinheiro de Suely Alves (que veio à Paraíba com esse propósito), apresentaram ao delegado Francisco de Assis da Silva apenas duas cartelas de Diazepan com o objetivo de dar legalidade à ação deles. Isso resultou apenas no indiciamento de um dos presos por transporte de drogas sem autorização. No dia 14 de maio de 2010, cinco integrantes da quadrilha, exceto David Cardoso, foram presos por policiais federais no Ceará com notas falsas. Nas declarações, eles informaram que foram pagos R$ 7 mil aos policiais paraibanos pela liberdade, valor que os policiais disseram ser referente à fiança. Ainda de acordo com a denúncia, a Polícia Civil instaurou sindicância contra os policiais e concluiu pela necessidade de punição com pena de suspensão.
Por Redação, com Ascom do MP

MÍDIA PARAÍBA